Ao Volante

O meu carro é a casa
Onde passeio o meu 
Coração.
Pelos quilómetros 
De más estradas e
Sem qualquer direção.
Entre as músicas
De despedida que amamos
No prometido 
Adeus.
E, 
Por mais triste que seja,
Estou certa da 
Certeza que tenho,
Pois a euforia passou
E eu aqui estou
A criar rios 
Nesta terra.

07 & 15.06.2012


"I Can Never be The Same" | Jon Gavin

8 degraus subidos:

  1. A euforia é como tudo, vai e vem, vem e vai. Rios que darão lugar a mares e a oceanos... acredito que as coisas são como são, hoje está mal, amanhã certamente que estarão melhores. Lembra-te: os rios que crias são como a água que fecunda a terra, que cria vida.
    Desculpa o testamento... e espero não ter entendido de forma errada o teu poema!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :)) Maravilhoso, Simão! Cada dia passado é um degrau subido :) Mas, tal como disseste, a euforia vai e vem, vem e vai!
      Beijinho*

      Eliminar
  2. Respostas
    1. :)) Agradeço - imeeenso!! - o elogio, sendo eu uma fã do teu trabalho!
      Obrigada Maggie :)
      Beijinho*

      Eliminar
  3. "Criar rios nesta terra..."!
    Que forma linda para rematar um belo poema.
    Precisamos de ser rio e irmos assim ao encontro do outro!

    Beijinhos,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda não tinha pensado nisso, os rios também nos levam..
      Muito obrigada pelo maravilhoso comentário :)
      Beijinho*

      Eliminar
  4. Hi Ana...
    I love this post ...
    The poem is beautiful and the music too...

    I confess that I have reviewed myself on the essence of the poem... "Pois a euforia passou e há que criar rios..." :)

    Thanks for using a photograph from my blog...
    Kiss *

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hi Jon :)) I was waiting for a comment from you, mr. photographer!!
      This is one of those that came out as it is - from the heart...!
      Your photo perfectly completes the idea, so thank you for your work :)
      Beijinho*

      Eliminar

Inspira. Escreve.