Parasita

Amanheço com o peito apertado
p'la bomba contida
no sonho do sono
no sonho do passado.
Balanço-me na carcaça pesada;
de tripas torcidas, pisadas 
nas horas tatuadas nas linhas cravadas
p'la pele fora.

Pauso no momento.
Namoro o calor do sol
na brisa do vento
que me embala.
Não há pressas.

Inspiro o instante
e parto,
de amor magro
na mala.

03.04 & 13.05.2013 


 "ask yourself" | Jon Gavin 

0 degraus subidos:

Enviar um comentário

Inspira. Escreve.