Vai

A música da madrugada liberta
memórias privadas pelo tempo 
mas autuadas pela inspiração.

Aqueço-me neste barco,
tal berço entre o mar em agitação,
transbordante e gotejante 
pelas paredes de pele branca.
Entre o tumulto de tempestades,
e de coração confessado,
devolvido e subnutrido,
lanço tudo de mim.

Encontro feldade no espelho e a derrota na rotina;
A ofensa no confuso na utopia dos sonhos e
a febre na alma sacudida.
Passo o lenço na tristeza.
[Vai.]

No Paladar

     "O dia acorda na cama, ao som da t.v. esquecida e abafada nos gorjeios aflautados dos melros. O sol bate na erva mais verde que vi, pelas fendas da madeira branca em portadas; o brilho espelhado no quarto claro, de cama aberta, desfeita e nós.
Miss Scarlet Red
     Um almoço preguiçoso a traçar a tarde, de meias vestidas e meia despida. A toma do café e o olhar de quem ama - o tempo gasto em ti, em mim, pela terra prometida.
     O silenciar da voz que em mim chora ao sepultar os pedaços do mundo que conhecia e o inundar de vontade de ti pelos anos em dias na fantasia.
     Os jantares entre tons de memória, à luz das velas cheias e distantes, sob um estrelar esculpido, no alpendre da casa que é nossa, neste meu mundo escondido."
12.07.2014

Saudade que Ali Ficou

 "Que Saudade Ali Deixou" | Ever After Photos
Desaba um outro dia sobre
Os tons do sol rasgados 
P'lo voo das aves em sintonia.
Acompanham-me as gotas suspensas,
Soberanas, solidárias, subtraídas 
Dos afetos maltratados que alagam
A bagagem apertada de cansaço. 
Aninho-me no embalar da noite e
Liberto os ecos deste coração baldio
De quando tinha palpitação,
De quando a vida era contigo.

29.01 a 28.06.2014

Ali:Enada

Sigo pel'o meu trilho apertado,
Cercado por pequenos muros musgosos,
Sob o brilho dum sol abrigado
Num céu cinza e tempestuoso.

Apanho as pedras que me atiram
- querem quebrar-me o corpo, a alma, o coração;
Mas apenas me quebram os ossos e
Incham-me os olhos na desilusão.

Sob a pressão das mãos 
Sobre o meu peito imaturo
Prendo os fantasmas insistentes e
Asfixio a besta ofegante.
É lá que te seguro.





Caretas

Enquanto dorme o mundo,
baloiça uma branda paixão envelhecida,
na sua cadeira de madeira branca,
rodeada de pó, carcomida.
E ecoam os gemidos e os rangidos 
que a prolongam e aprofundam e
me mantém acordada.

Miss Scarlet Red

Na mais completa escuridão,
junto à luz elétrica que entra p'la janela,
ali, de alma mirrada,
num triste sorriso sob o
acre da amargura;
de nariz torcido, corpo dorido,
com o peso do globo pendente e
as ansiedades seguras nas linhas da testa,
sobre as pálpebras lavadas
dos olhos vazios mas brilhantes, 
distantes, em festa.
05.01.2014