Curvas

Bombeio a alma de sol quente
na preguiça do despertar
com os tormentos nas lágrimas
ainda por assentar.
Rompes um sorriso no meu luto
pelo tempo que o silêncio
segura no ar;
e renasço do cheiro a madeira podre,
deixando para trás as teias 
de ingénuo brilhar.
- " -
Escuto o vazio das palavras
que articulas, mastigas e enrolas
nessa língua de fiambre fino.
Aninho-me sob terra em ruína,
largo as cores do arco-íris,
dobro-me no sal de prantos enxutos
e viro pó.
06/2016 & 08/08/2017

"Kitchen Door" | Wolf Larsen

0 degraus subidos:

Enviar um comentário

Inspira. Escreve.